Planejamento: caminho para o sucesso em 2014

Planejamento: caminho para o sucesso em 2014

Começar bem 2014, dando vida nova ao negócio, ampliando as chances de crescer e atingir melhores resultados é o que todo empresário deseja. Mas transformar a expectativa em realidade exige mais que disposição para o trabalho ou investimento em reformas. É preciso, antes de tudo, fazer o diagnóstico do empreendimento e, com base nele, desenvolver um planejamento realista para o ano que se inicia.

“Um bom planejamento terá que prever a otimização da estrutura, da organização do negócio, e ir além dos números, pensando também no fortalecimento da imagem e da marca no mercado”, ensina o consultor do Sebrae-SP, Júlio Tadeu Alencar. O empresário terá que determinar o que quer realizar, onde pretende chegar, o que investir e como atuar. “Para tanto, ele precisa ter controles, rotinas que proporcionem relatórios confiáveis para análise e tomada de decisões”, complementa.

As principais rotinas e controles de uma pequena empresa devem envolver aspectos financeiros (controle do fluxo de caixa, programação de contas a pagar e a receber, acompanhamento de custos fixos e variáveis); administrativos/gestão de pessoas (cadastros, controle de estoques, capacidade produtiva, cargos e salários) e marketing (investimento em divulgação, estratégias de venda, retorno e participação de mercado da empresa).

Alencar destaca que antes de tomar decisões, o empresário precisará ainda fazer algumas perguntas básicas: quanto pretendo crescer? Tenho o espaço que necessito: estrutura, máquinas e equipamentos suficientes? Precisarei contratar mais funcionários? Estou desenvolvendo bem meus produtos e serviços? Perdi clientes por conta de mudanças no mercado ou da concorrência?

Apurar os principais números que mostram a situação financeira também é fundamental: qual o meu faturamento? Houve crescimento sobre o ano anterior? Cumpri as metas estabelecidas? Quais foram meus gastos, considerando todo o recurso que saiu do caixa da empresa, incluindo custos de produção (matéria-prima, mão de obra, insumos) e despesas (que não dependem da produção, como aluguel, luz, água, telefone, pessoal administrativo)? Registrei lucro? Qual a minha margem de lucro? Está valendo a pena manter o negócio - ele vem gerando recursos suficientes para cobrir despesas e garantir o retorno do investimento?

Finalmente, do ponto de vista de marketing, será preciso avaliar: tenho conseguido mostrar meus produtos ou serviços para o cliente que estabeleci como alvo? Desenvolvi caminhos e estratégias para vender mais? Minha divulgação está alinhada com a imagem que pretendo construir para o meu negócio?

Mudanças exigem cautela

Feita essa ‘lição de casa’, no fim de ano, muitas empresas optam por realizar reformulações. Alencar alerta, contudo, que mudanças precisam ser planejadas e bem dimensionadas,e não podem afetar a produção, os preços e os prazos de entrega de produtos ou serviços.

“Antes de radicalizar e investir em grandes reformas na estrutura física, por exemplo, o empresário precisará analisar se o espaço que almeja não pode ser alcançado com a simples reorganização das instalações, o que exigirá menos investimentos e, ainda assim, pode trazer bons resultados.”

Acompanhar os indicadores da economia e ficar de olho na concorrência são outros pontos fundamentais. “O mercado muda constantemente; é muito fácil para o cliente trocar uma empresa por outra em função de pequenos detalhes. Por melhor que seja o produto ou serviço, o empresário tem que conhecer sua concorrência e, caso sinta que esta perdendo espaço, reduzir suas falhas e buscar fidelizar os clientes”, alerta o consultor.

No caso de contratação de novos funcionários, será preciso fazer as contas na ponta do lápis. “Nem sempre mais empregados representam apenas custo maior. Muitos processos podem ser melhorados quando há mais pessoas envolvidas. O fundamental para uma boa contratação é a definição prévia das tarefas e atribuições do profissional, que também precisa ser treinado para desempenhar da melhor maneira possível o seu trabalho”, completa.

Mudar de endereço, para um espaço maior, em ponto mais bem localizado na mesma galeria comercial; trocar e modernizar a vitrine, principal chamariz de consumidores; reorganizar e otimizar o espaço interno da loja. Depois de tudo isso, feito com planejamento prévio e baixo investimento, contratar sua primeira funcionária. Com essa estratégia, Cleone Carmo Soares, dona de uma pequena loja de perfu- maria, maquiagem e presentes no centro da capital pretende iniciar 2014 com uma nova perspectiva para o negócio.

“Vamos completar três anos de mercado em novembro. Passamos, recentemente, pelo programa Inova Loja, do Sebrae-SP. Desde agosto nos preparamos para um Natal mais positivo e para um ano melhor ainda, com uma funcionária contratada, que vai ajudar no atendimento a clientes, e dando os primeiros passos para a construção do site da empresa”, comemora a empresária.